25 de janeiro de 2011

Direito de Resposta de um Abstencionista Convicto

O desprezo desta república em relação aos Portugueses continua a atingir proporções gigantescas, mais uma vez verificados pela passividade da CNE face ao escandaloso episódio dos cartões de eleitor. Não obstante, não faltaram líderes políticos e comentaristas caducos a destilar veneno em ataques aos mais de 50% de eleitores que decidiram abster-se nesta farsa pseudo-democrática, remetendo sempre essa decisão para um nível mais ou menos irrelevante de relativo descontentamento dos Portugueses com a campanha eleitoral e a classe política actual.

Longe de mim pretender que a abstenção de dia 23 representa com alguma legitimidade o universo monárquico do país, mas algures entre o desejo de rever a coroa estampada na bandeira nacional e o reductor « descontentamento com a classe política » encontra-se a verdadeira explicação para estes absurdos níveis de abstenção: Os Portugueses não se revêem neste regime!

Querer negar este facto é um insulto aos Portugueses. Insinuar que os mais de 4 milhões de Portugueses que se recusaram a votar, o fizeram sem saber o que implica a sua decisão é chamar 4 milhões de Portugueses de atrasados mentais.

A necessidade de rever a nossa democracia é imperativa, e a república não se pode apresentar como « plenamente consolidada » e muito menos « madura » enquanto for como criança e tiver medo de se submeter à legitimação popular. Através de um referendo monarquia/república? Porque não? Não implica que se não discutam também outras alternativas ao actual sistema, como por exemplo a tão discutida alteração dos poderes presidenciais.

A república foi imposta com tiros nas costas e contra a vontade dos Portugueses. Isto é um facto. Só os Portugueses podem finalmente conceder aos traidores o perdão que liberte a república dos seus fantasmas. Se as pazes forem feitas através do sim à república, assim seja: o povo é soberano! Mas até esse dia chegar Portugal continuará o seu luto. E eu, como tantos outros, de forma consciente e responsável, manterei o meu sentido de (não) voto.

(Também aqui)

15 comentários:

  1. Gostei e sou da mesma opinião....
    Vamos a referendo....
    Acho que se iria ter uma surpresa bem grande.

    ResponderEliminar
  2. O regime está podre, e não é só em Portugal...

    ResponderEliminar
  3. Vamos a isso! A cada eleiçao que passa o referendo ganha mais força. No fim já nao vai ser surpresa para ninguem :)

    ResponderEliminar
  4. Pois está, é por todo o lado...

    Veja este vídeo, só uma amostra:
    http://estadosentido.blogs.sapo.pt/1403246.html

    ResponderEliminar
  5. Eu acho que se devia destituir o Governo e o Parlamento e substituí-los todos pelos gestores/presidentes TOP da Jerónimo Martins, SONAE, Siemens, etc. Iam ver se não punham o país em ordem :) especialmente se investissem algum :)

    ResponderEliminar
  6. Tirando o da Siemens, os outros só querem ganhar dinheiro, não é uma critica, mas não é a motivacão adequada para dirigir um país, digo eu... ;)

    ResponderEliminar
  7. Discordo, por acaso. Acho que quem dirige uma empresa tem como objectivo o lucro (salvaguardando, claro e desejavelmente, valores, ética, respeito, etc) e, consequentemente, a produtividade.
    Para atingir o lucro já perceberam que têm de garantir 3 coisas básicas ao Capital Humano (antigamente designado por empregados):
    SAÚDE (seguro de saúde ou € para comprar), EDUCAÇÃO (formação) E SEGURANÇA; contribuindo para o aumento da produtividade.
    O que é que o povo quer? O que é que o Governo tem de garantir?
    SAÚDE, EDUCAÇÃO E SEGURANÇA
    ...o povo faz o resto.

    ResponderEliminar
  8. Se fosse assim tâo simples, até os politicos eram capazes... :P

    Como é que eu tenho notificacões automáticas das respostas ?

    ResponderEliminar
  9. No fim desta página de comentário, do lado direito, por baixo da verificação de palavras, diz:

    Choose an identity
    B.me (Google Account) – Sign Out

    Email follow-up comments to sarabof@gmail.com

    E clica para seleccionar (Tem é de fazer isso em cada post que lê).

    ResponderEliminar
  10. http://www.youtube.com/watch?v=2RwJemF_9tY&feature=player_embedded

    ResponderEliminar
  11. Grande post, até ao terceiro parágrafo ;)

    ResponderEliminar
  12. Nao consegui ver o video mas fui buscar o texo, que transcrevo aqui:

    "O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.

    O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais."

    Pode ser :)

    ResponderEliminar
  13. @Rita Maria:
    Ate ao terceiro paragrafo incluindo o terceiro paragrafo ou nem por isso?

    Para ti pode ser irrelevante, mas para mim e a diferenca entre os 40% e os 60%! E isto em termos de expressao eleitoral nao sao peanuts :)

    Kuss

    ResponderEliminar